Domingo
11 de Abril de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Previsão do tempo

Hoje - Curitiba, PR

Máx
29ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Hoje - Londrina, PR

Máx
33ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - Apucarana, PR

Máx
33ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,64 5,64
EURO 6,71 6,72

Notícias

Newsletter

Abrangência de ações civis públicas está na pauta do STF desta quarta-feira (3)

A pauta do Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) para esta quarta-feira (3) traz temas variados para julgamento. A sessão, por videoconferência, terá início a partir das 14hs. O primeiro tema pautado discute a abrangência do limite territorial para eficácia das decisões proferidas em ações civis públicas, tratado no artigo 16 da Lei da Ação Civil Pública (Lei 7.347/1985). Objeto do Recurso Extraordinário (RE) 1101937, a questão envolve, de um lado, as instituições bancárias e os contratos habitacionais por elas ofertados e, de outro, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que busca a revisão desses contratos. O relator da matéria, ministro Alexandre de Moraes, determinou a suspensão nacional de todos os processos em andamento no país, até a decisão final do recurso, que tem repercussão geral. Também pautados para julgamento estão dois processos que tratam de temas culturais. No Recurso Extraordinário (RE) 627432 o Plenário vai decidir sobre a constitucionalidade da obrigatoriedade da denominada “"cota de tela", referente à exibição de filmes nacionais nos cinemas por determinados períodos. Já no RE 1070522, também com repercussão geral, os ministros decidirão se a Constituição Federal recepcionou decreto de 1963, segundo o qual emissoras de rádio e TV devem cumprir percentual mínimo e máximo para veiculação de programas culturais, artísticos e jornalísticos locais. O armazenamento obrigatório de cordão umbilical e outros materiais genéticos de mães e bebês no momento do parto é outro tema pautado para julgamento. A medida, criada por lei estadual do Rio de Janeiro para evitar a troca de recém-nascidos, é objeto da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5545. A sessão, por videoconferência, será transmitida, a partir das 14h, pela TV Justiça, pela Rádio Justiça e pelo canal do STF no YouTube. Confira, abaixo, todos os temas pautados para julgamento. Relator: ministro Edson Fachin União X Nutriara Alimentos Ltda. Ação rescisória por meio da qual a União busca desconstituir a decisão do STF no julgamento do RE 350446, em que o Plenário decidiu pela possibilidade de compensação de créditos de IPI na aquisição de insumos favorecidos pela alíquota zero. O julgamento foi iniciado na última sessão (25/2) e suspenso após a leitura do relatório e das sustentações orais. Relator: ministro Alexandre de Moraes Caixa Econômica Federal (CEF) e outros bancos x Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor O recurso discute a constitucionalidade do artigo 16 da Lei das Ações Civis Públicas (Lei 7.347/1985), segundo o qual a sentença na ação civil pública fará coisa julgada para todos nos limites da competência territorial do órgão prolator. Relator: ministro Dias Toffoli Sindicato das Empresas Exibidoras Cinematográficas do Rio Grande do Sul X Agência Nacional do Cinema (Ancine) Os ministros vão decidir sobre a constitucionalidade da denominada "cota de tela", consistente na obrigatoriedade de exibição de filmes nacionais nos cinemas, e das sanções administrativas decorrentes da sua inobservância. Relator: ministro Luiz Fux União x Sistema de Comunicação Viaom Ltda. Neste recurso os ministros vão decidir se foram recepcionadas pela Constituição Federal de 1988 as disposições previstas no artigo 16, parágrafo 1º, alínea “c”, e parágrafo 3º, inciso I, do Decreto 52.795/1963, que versam sobre o tempo destinado aos programas culturais, artísticos e jornalísticos produzidos no município objeto da outorga dos serviços de radiodifusão. Relator: ministro Luiz Fux Procurador-geral da República x Governador do RJ Ação ajuizada contra dispositivos da Lei estadual 3.990/2002 do Rio de Janeiro que obrigam a adoção de medidas de segurança que evitem, impeçam ou dificultem a troca de recém-nascidos nas dependências de estabelecimentos de saúde e que possibilitem a posterior identificação através de exame de DNA. Para a PGR, há violação ao direito fundamental à intimidade e à privacidade, sem considerar a manifestação de vontade das pessoas afetadas.  
03/03/2021 (00:00)
Visitantes  364334
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia